Skip directly to content

Beto Pereira fala da situação do MS com greve do transporte

Por: 
Da assessoria - Foto: André Maganha
29/05/2018

Em nome da bancada do PSDB de Mato Grosso do Sul, o deputado estadual Beto Pereira (PSDB), falou hoje, 29/05, na tribuna da Assembleia Legislativa, sobre a paralisação dos caminhoneiros e as medidas que estão sendo tomadas para contemplar as reivindicações do movimento. O parlamentar considerou legítima a greve da categoria, mas segundo ele, se essa paralisação continuar por mais dias o Brasil entrará em uma crise ainda maior. Beto também anunciou a publicação de um Decreto por parte do Governo do Estado, instalando Estado de Emergência em Mato Grosso do Sul e que já foi veiculado em edição extra do Diário Oficial dessa terça-feira.

“O movimento que começou com os caminhoneiros e que aflorou em toda a sociedade é uma forma de fazer o Governo Federal pensar em uma reforma tributária urgente. Medidas paliativas apenas amenizam temporariamente o problema, mas não soluciona de vez”, disse Beto. O deputado afirmou ainda que grande parte das reivindicações foi atendida e dessa forma a paralisação precisa terminar para evitar o caos.

Quanto à medida do Governo de Mato Grosso do Sul de reduzir a pauta fiscal do diesel, fixada em R$ 3,90, passando para R$ 3,65, Beto Pereira afirma que foi uma decisão acertada para evitar que a greve se prolongue. “Mesmo sabendo que o Mato Grosso do Sul poderá sofrer uma queda na arrecadação em torno de 5 a 8 milhões, o governador Reinaldo Azambuja fez o que precisava ser feito. A equipe econômica do Governo do Estado agora está estudando a viabilidade de reduzir o ICMS do diesel de 17 para 12%”, ressaltou. Em 2015, a alíquota chegou a ser reduzida para 12%, mas o governador Reinaldo Azambuja afirmou que o desconto não chegou às bombas de abastecimento e não impactou diretamente o consumidor, por isso retornou aos 17%.

“O Governador Reinaldo Azambuja está aberto a negociar a redução do ICMS sobre o diesel de 17 para 12%. Porém essa disposição só acontece se os caminhoneiros cessarem o movimento de greve e liberarem o trafego nas estradas”, afirmou Beto Pereira.